28
JULHO
2015

06:19
Compartilhar
Dimenor ou dimaior?
Em: 05/07/2015 às 19:05h por Onofre Ribeiro
É a discussão do momento no Brasil. Vem se arrastando há algum tempo e pegou agora um Congresso Nacional desmoralizado que aproveita o vazio deixado pelo Poder Executivo naufragado, e cria factóides. Discussão inoportuna num país desgovernado. O assunto redução da maioridade penal dos atuais 18 para 16 anos é descabido. Isso não isenta os menores criminosos dos crimes cometidos. Mas penalizá-los apenas por jogada política é mais criminoso do que os crimes que eles de fato cometem.Nove entre cada 10 brasileiros são a favor da redução, embora instituições internacionais como a Anistia Internacional considerem a proposta como "gesto populista". De fato, é! As minorias nacionais ligadas aos movimentos de direitos humanos faz barulho contra. Aqui a estória tem duas versões. A primeira, é o fato da criminalidade juvenil. O segundo, o apoio da sociedade à redução da maioridade. Ela pensa na sua segurança que não existe como gostaria e paga por ela. De outro lado, o menor infrator.Todos contra imaginam um maior de 16 anos preso numa das penitenciárias brasileiras. Fará sucessivas graduações... Leia mais
Compartilhar
Quem falar por ns?
Em: 05/07/2015 às 12:04h por Onofre Ribeiro
No último domingo assisti no canal da Globonews o programa "Painel", brilhantemente conduzido pelo jornalista William Waak. "A crise trouxe alguma mudança para o Brasil?", foi o tema do programa, do qual participaram três importantes debatedores: o cientistas políticos Bolivar Lamounier, Murilo de Aragão, e o professor José Álvaro Moisés, professor de ciência política da Universidade de São Paulo.As análises levaram a dois pontos que gostaria de abordar neste artigo, com ênfase no segundo. O primeiro, foi de que realmente o segundo governo Dilma vai lutar contra si mesmo pra encarar mais três anos e meio de mandato que lhe restam. A presidente, concluíram, gastou todo o seu capital político na eleição e criou um factóide de sucesso que se revelou enorme mentira depois. Paga hoje um preço altíssimo por isso.Porém, o segundo item foi o que mais me chamou a atenção. A ausência de um líder político, institucional ou alguém que seja capaz de conversar com a sociedade e apontar caminhos no meio da crise política que assola o país. Traduzir para uma sociedade perplexa, as perplexidades... Leia mais
Compartilhar
Grevismos
Em: 29/06/2015 às 08:06h por Onofre Ribeiro
Na última sexta-feira, passando pela Avenida Fernando Correa, li uma faixa pregada na esquina desta com a Rua 1 onde se lê: "Greve na UFMT pela universidade gratuita e ensino de qualidade". Há dois meses a Universidade Federal de Mato Grosso está em greve. A sociedade não se comove pela causa e nem liga mais porque todos os anos greves como essa surgem por razões diferentes e resultam sempre na mesma tese do "ensino de qualidade". Greve após greve e o ensino continua com a cara do ano passado.O serviço público federal está contaminado por sucessivas greves. No serviço público estadual está em plena efervescência a construção de uma séries de greves em todos os setores da administração, em represália à gestão Pedro Taques.Queria aqui estabelecer um paralelo apenas pra reflexão. No mercado, o desemprego é crescente e empresas estão reduzindo quadros de pessoal, estão reduzindo atividades e encolhendo. Outras fechando simplesmente. Outras entrando em recuperação judicial pra tentar sobreviver num deserto econômico como há muito não se via no país.A inflação... Leia mais
Compartilhar
O que quer o leitor?
Em: 28/06/2015 às 08:05h por Onofre Ribeiro
Nesta semana que passou escrevi três artigos propositalmente provocantes pra sentir a reação dos leitores: "O papa e Dalai Lama", "Prisão não educa", e "Sexualidade, eis a questão". A resposta dos leitores através de e-mails, comentários no Facebook e nos próprios artigos foi completamente diversa. Alguns contra, outros a favor, a maioria indiferente.Essa indiferença tem me preocupado muito. Antes desses, um na semana anterior sobre "Suicídio e morte", gerou boa polêmica e pude perceber que a sociedade é bem tolerante à morte pelo suicídio, ao contrário de antes quando ele era sumariamente condenado. Percebi pessoas tolerantes e generosas com as que morrem pelo suicídio. Mas no geral, percebo uma imensa indiferença sobre quase todos os assuntos. Em economia e política, então, é um desastre.Os artigos sobre economia e política quase sempre são negativos porque refletem a decadência do sistema político brasileiro e os de economia retratam um país descendo a ladeira até não se sabe quando. As pessoas preferem ficar alheias e não se chatearem mais. Ao redor delas mesmas, tudo está... Leia mais
Compartilhar
Sexualidade, eis a questo
Em: 26/06/2015 às 08:22h por Onofre Ribeiro
Shakespeare já se angustiava no final do século 16 e começo do século 17 na Tragédia de Hamlet: "ser ou não ser, eis a questão". O tema da sexualidade nos dias atuais cabe direitinho na angústia antiga de Shakespeare. Neste momento as discussões estão crescendo a respeito do tema, na medida em que a exposição pessoal avança através da internet e da própria mídia comercial. As telenovelas vem há bastante tempo tangenciando o tema e deixando indagações e curiosidade a respeito.Rural até os anos 1970 e severamente policiada pelas religiões, a sociedade brasileira teve muita dificuldades para enfrentar temas polêmicos no mesmo nível de intensidade que hoje se discute a sexualidade. O divórcio foi aprovado no Brasil em julho de 1977 depois de décadas de discussões lideradas pelo senador carioca Nelson Carneiro. As religiões se posicionaram bravamente contra sob a alegação de que o divórcio "destruiria a celula-mater da sociedade, que é a família". Não destruiu. Mudou profundamente as monolíticas relações conjugais.A importância que... Leia mais

Mais artigos


Receber Newsletter
 
 

Onofre Ribeiro
onofreribeiro@terra.com.br | facebook.com/onofreribeiro
msn: astro285@hotmail.com