30
JANEIRO
2015

01:47
Compartilhar
Gesto de rdeas soltas?
Em: 29/01/2015 às 21:56h por Onofre Ribeiro
A eleição da Mesa Diretora da Assembléia Legislativa de Mato Grosso deixou de ser uma questão meramente institucional e se transformou em dois tipos de guerra: uma, de poder interno, com seus grupos e rivalidades, e a segunda, a de tentativa do Poder Executivo de mais uma vez manter o controle do Legislativo. Por sua vez, o Legislativo não quer perder a cultura de negociar a interferência do Executivo mediante um monte de variadas moedas pouco republicanas. É uma guerra suja.Nas últimas décadas o que o Poder Legislativo estadual menos fez foi cumprir a sua missão constitucional de formular leis efetivas e fiscalizar o Poder Executivo. Por sua vez, o Poder Executivo, livre das fiscalizações legais, viu-ser solto pra governar segundo vertentes pouco republicanas. Veja-se as operações em andamento no Gaeco, no Ministério Público Federal e as investigações da Polícia Federal. Um mar de lama se construiu em Mato Grosso graças à prostituição entre os poderes.A eleição do governador Pedro Taques pressupõe uma quebra dessa série histórica anti-republicana. Porém, no momento em que ele decide... Leia mais
Compartilhar
A cachaa nossa
Em: 28/01/2015 às 09:53h por Onofre Ribeiro
Em 2013 dei uma palestra em Jaciara, numa faculdade de administração, com participação da comunidade. Muitas perguntas. Uma delas, um empresário recém-chegado à cidade, vindo da Paraíba, questionou-me como Jaciara poderia ser beneficiada com a Copa do Mundo, já que está distante 150 km capital, onde se realizaria os jogos. Lembrei-o que as regiões que recebem turistas, como é o caso de Jaciara, alguns produtos são caracterizados para ter a cara da cidade e darem-lhe uma identidade cultural. Além dos rendimentos econômicos. A discussão foi por aí afora e caímos em dois pontos sobre Jaciara: é terra da cana de açúcar por conta de históricas usinas de álcool, e sua bacia leiteira.As duas cadeias econômicas abrem grandes leques de negócios, se forem desenvolvidos. Lembrei desse assunto porque assisti ontem no Canal Rural, na televisão, uma entrevista sobre a produção de cachaças finas e cachaças de consumo popular, porém com qualidade superior à maioria comercializada no mercado. Criou-se um produto e deu-lhe um selo verde, padrão de qualidade e mecanismos de... Leia mais
Compartilhar
Esprito mato-grossense
Em: 26/01/2015 às 09:42h por Onofre Ribeiro
Era pra ser um único artigo questionando a desconstrução da cultura tradicional de Mato Grosso e a construção de uma cultura nova condizente com a nova cara e a personalidade da sociedade atual. Mas, conversa vai, conversa vem, e o assunto espichou pra mais dois e quem sabe, em outro momento, novos artigos. No segundo, resgatei a lembrança da cara humana das regiões tradicionais do estado, e acabei esquecendo-me da região da Grande-Cáceres, com seu perfil mineiro, paulista e goiano, a partir dos anos 1967. Ali, a cara cultura é bem diversa.O leitor certamente se pergunta: por que perder tanto tempo com esse tipo de assunto? A resposta é direta. A cultura resgata os traços humanos dos comportamentos, da fé e de sentimentos positivos como a alegria, a generosidade e o desarmamento dos sentimentos ruins. A verdade é que a cara humana de Mato Grosso nesses 40 últimos anos mudou profundamente e junto com ela mudou a cultura geral. Preciso citar dois números. Em 1970, a região Norte que é o atual Mato Grosso tinha 598 mil habitantes. Hoje tem 3 milhões 127 mil mato-grossenses. Quem são? É gente daqui, mais a gente que migrou e mais o crescimento... Leia mais
Compartilhar
Refugiados climticos
Em: 25/01/2015 às 09:40h por Onofre Ribeiro
O Brasil está vendo a crise generalizada da água no Sudeste brasileiro. Falta chuva pra abastecimento de água em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com possibilidades de alcançar o Sul. Estamos falando de água pra beber e tomar banho. É absolutamente surreal constatar uma realidade dessas no começo do século 21.Mas a falta de chuvas que ameaça o abastecimento de água de uso humano, está ameaçando a geração de energia elétrica no país. No correr da semana passada houve apagões inevitáveis mais de uma vez em regiões distintas do Sudeste. Estamos falando, em última hipótese, do tão discutido e difamado aquecimento global que vem sendo anunciado desde a Conferência Mundial do Meio Ambiente, em Estocolmo, na Suécia, em 1972.Antes de entrar por essa vereda do assunto, gostaria de lembrar dois episódios. Em 2013 apresentava o programa semanal "Hora Marcada", na TV Cultura de Cuiabá. Num dos programas entrevistei fora dos contextos habituais João Carlos Santini e Dalvan Luveson. Eles conduzem o Movimento Místico e Ecológico do Roncador. É uma instituição... Leia mais
Compartilhar
Ainda a cultura
Em: 23/01/2015 às 09:39h por Onofre Ribeiro
Mesmo antes do começo da onda de migrações depois de 1973, motivada pelo projeto federal de ocupar a Amazônia brasileira, Mato Grosso já era uma colcha de retalhos culturais. Ainda encontrei esse ambiente cultural tão diverso. Vale lembrá-lo. Cuiabá, capital e sede do poder, com uma cultura própria derivada das suas origens pantaneiras. O chamado Leste, que era composto por Barra do Garças e pelo extenso Vale do Araguaia, até a divisa com o Pará tinha ilhas culturais goianas, mineiras, nordestinas garimpeiras do Ceará, do Maranhão e da Bahia, e lá mais pro Norte, os nordestinos e os caboclos meio índios e meio tudo.Já a região Sul também não era uniforme. Rondonópolis tinha um perfil, Poxoreo e os municípios garimpeiros de Guiratinga, Tesouro, General Carneiro tinha outro, assim como Alto Garças e Alto Araguaia, Ribeirãozinho, Ponte Branca e Araguainha respiravam Goiás. A região de Cáceres vivia a realidade de um outro Pantanal, graças à sua ligação com Corumbá via o rio Paraguai até lá pelos anos 1960.Já a região de Diamantino tinha... Leia mais

Mais artigos


Receber Newsletter
 
 

Onofre Ribeiro
onofreribeiro@terra.com.br | facebook.com/onofreribeiro
msn: astro285@hotmail.com